www.sanagarras.com.br

 

Algumas dicas de como montar sua parede

 

Para a montagem de muros artificiais, normalmente fixados nas paredes de sua casa, devem ser observados alguns detalhes de segurança imprescindíveis tais como:

Em primeiro lugar, é fundamental observar de qual material é feita sua parede (de blocos ôcos, tijolos, cimento, ou até mesmo de concreto).
Cada caso merece atenção especial nas fixações pois uma bucha plástica, não oferece nenhuma segurança, quando aplicada em um bloco, principalmente quando ele é ôco e não retém sustentação para esse tipo de bucha. Nesse caso aconselhamos aplicar as buchas nas junções dos blocos, ou seja aonde eles se interligam com cimento. Existem algumas buchas novas no mercado chamadas FX8 , tem uma característica bem diferente nos blocos, mas ainda não sabemos ao certo o quanto serão eficientes ao longo do tempo.

 

Não recomendamos fixar as agarras em blocos ôcos ou paredes diretamente mas no caso de economia damos as seguintes dicas de problemas a contornar...

Normalmente usamos umas buchas metálicas especiais que chaman-se “parabolts” . São pinos que tem um poder expansivo muito forte, então não podemos fixá-las nas partes ocas dos blocos, e sim nas junções entre eles, o que nos dificulta para localizar essas junções por causa do acabamento da parede que as esconde, mas não impossível de se fazer. O melhor é escolher os espaços aonde serão fixadas as buchas, quebrar os blocos e preenche-los totalmente com cimento, ai sim depois de curado furar e usar as buchas metálicas.

Fazer um furo de 14mm de diâmetro para tais buchas de rosca interna de 3/8", com uma grande profundidade, e usarmos parafusos niquelados e longos alen 3/8" para evitar a umidade da parede, caso contrário dificilmente conseguirão tirar as agarras dos mesmos quando enferrujados. Mas ainda assim é o meio mais econômico de se fazer uma área de escalada. Neste caso suas custas estariam mais na compra das agarras, parafusos , buchas , materiais de segurança e a mão de obra de colocação. No concreto ou no caso de um tijolo maciço, elas irão funcionar perfeitamente lembrando que podem acontecer quebra de agarras por causa da uma irregularidade da parede. Lembro que se optar por colocar as agarras diretamente na parede vai ser difícil tirar as marcas de pés e mãos sujas, no final das contas não vale a pena.

Abaixo segue a foto de uma bucha metálica de expansão.

.

Outra opção então para sua parede e esta a mais recomendada será usar placas de compensado naval resistentes a água colocadas a uma distância mínima de uma 8cm da parede, presas a trilhos de caibros de boa madeira, ou mesmo presos a uma estrutura metálica, e esta por sua vez chumbada a parede.

Neste caso requer um projeto especialmente feito e muito bem elaborado na fixação, principalmente nas ancoragens superiores, que devem suportar uma carga mínima de 22KN para cada pista de escalada. “Mais ou menos 2.300Kg” para qualquer que seja a estrutura.

Na foto abaixo uma estrutura metálica com 4,8m de largura X 8,8m de altura chumbada a parede e forrada com compensados. Contendo duas pistas de escalada sendo a da esquerda reta em 90 graus, e a da direita contém uma área negativa o que melhora considerávelmente treinamentos por dificuldade.


 

Fotos de um Boulder montado em nossa garagem com explicações passo a passo..

 

 
Comece colocando 4 bons apoios no chão para receber as placas de compensado naval.
   
         
 
Coloque todas as placas uma em cima da outra bem posicionadas e alinhadas.
   
         
 

Use furadeira com apoio vertical para que os furos fiquem bem perpendiculares ao compensado. Quando da instalação das porca-agarras, elas irão se acomodar perfeitamente nos mesmos e como consequencia na instalação das agarras voce não correrá o risco de não achar a rosca se a mesma for colocada torta.

Usamos Broca de mourão 7/16" que atravessam todos os compensados de uma só vez, reduzindo o trabalho e não criando farpos entre um compensado e o outro.

   
         
 

Apoie com os pés a cada furo feito.

Faça furos em ordem aleatoria nas placas.

 

   
         
         
         
 
Pintura em esmalte sintético dos dois lados do compensado. Recomendável duas demãos. Após o esmalte também colocamos 2 demãos de verniz transparente fôsco, isto permite que manchas de pés na madeira poderão ser removidas com facilidade usando apenas um pano úmido sem descascar a tinta ou o desenho que poderá ser em grafite.
   
         
 
Após dois dias de secagem, forre com um cobertor velho no chão ou plástico bôlha para acomodar cada placa de compensado, e coloque as porca-agarras batendo firmemente com martelo as peças até que todas as suas bordas cravem inteiramente no mesmo.
   
         
 
Para paredes profissionais usa-se até 30 furos por m2 de área, dessa forma além de poder mudar as agarras de lugar e ganhar inumeros movimentos diferentes, com o tempo voce pode ir adquirindo mais jogos de peças e completando o seu boulder ficando cada vez mais rico em vias.
   
         
 
Caibros de peroba são uma boa opção para fazer os "trilhos" na parede ao invés de estrutura metálica. aparelhados e lixados nas bordas evitam farpos no manuseio.
   
         
 
Envernizamento nos mesmos
   
         
 
Nessa etapa comecam os furos para acomodar a cabeca dos parafusos sextavados.
   
         
 
Após isto segue a conclusão dos furos em broca menor para passagem livre dos parafusos de fixação.
   
         
 
Note que no furo maior no caibro deve haver espaço para que entre uma chave de bôca com leve folga para o aperto final.
   
         
 
Usamos Bucha de 10, e note-se para o detalhe de que o parafuso além de atravessar o caibro deve ter o comprimento adequado para entrar totalmente na bucha .
   
         
 
Marca-se finalmente na parede aonde irá furar para receber os caibros, e dispostos na largura perfeita do compensado naval.
   
         
 
Apoios extras diretamente na viga de concreto para áreas negativas
   
         
 
Pequenos suportes adicionais.
   
         
 
Note nesta foto que o caibro de madeira acomoda o compensado em toda a sua extensão , sem que a cabeça dos parafusos encostem no mesmo, não deixando vãos abertos entre eles.
   
         
 
Fazendo dois compensados em inclinação levemente negativa e o ultimo da direita perpendicular ao solo em 90 graus, para iniciantes é uma excelente opção.
   
         
 
Apoio no topo do compensado na área de inclinação negativa.
   
         
 

Apoio no centro das duas placas do negativo.

São 4 buchas fixadas na parede e por sua vez um caibro estabilizando as duas placas lado a lado.

   
         
 
O ultimo compensado em maior inclinação negativa proporciona maior desempenho de força e resistencia.
   
         
 
Nosso pequeno boulder tomando forma nesta foto com 6 agarras por m2.
   
         
 
Aqui com 14 agarras por m2 . Ainda assim estaremos fazendo área de teto tornando o mesmo como um túnel com altura de 2,2m. Não esquecendo de providenciar um bom colchão este boulder poderá ser usado por crianças sem ser preciso equipamentos de segurança como cordas, mosquetões e cadeirinhas, também dispensará a preocupação de uma criança subir em uma parede alta podendo vir a cair sem a nossa presença.
   
         
         
         








Instalando as porca-agarras

Como padrão universal, tomou-se por base as porca-agarras de 3/8”, com parafusos alen.
Importantíssimo: Com alguns modelos diferentes de porca-agarras no mercado, tente encontrar a broca certa, sem deixar que a mesma entre com folga nos furos, quanto mais apertada ela conseguir entrar mais voce estará garantindo que elas não expanem nos apertos das agarras.

 

 


Coloque a Porca-Agarra, na parte de tráz do furo e martele-a até encostar na totalmente na madeira
instalando porca agarras 1
instalando porca agarras 2

instalando porca agarras 3


Do outro lado do compensado instale a Agarra com parafuso alen 3/8"

instalando agarras 1
instalandoa tgarras 2
Aperte bem com uma chave alen 3/8" de preferência de Cromo Vanadium


Assim o certo é que deve-se recorrer, dependendo de caso a caso , a um engenheiro para avaliação do local, das fixações e da forma da abordagem.
Isto tudo também é valido para estrutura metálica fixada na parede ao invés de vigas de madeira.
Caso a parede seja colocada em área aberta, confluente as intempéries do tempo, chuvas etc..., seria de grande valia uma cobertura para conservação de todo o material.
Por fim um bom colchão com espuma de densidade 28 ou 30 e com expessura de 40 a 60cm e com sobras a mais nas laterais da parede, são fundamentais para a segurança em caso de queda e algum descuido do monitor que faz a segurança.
Devem-se isolar todos os cantos agudos e ou cortantes do local de treinamento.
É prudente uma pessoa escalar de cada vez, enquanto os outros assistem e observem os movimentos do parceiro.


Cuidado ao se colocar agarras...

Caso uma agarra escape das mãos de uma pessoa de 4m de altura, por ex temos agarras de 2Kg. Imagine-se acertar a cabeça de algum observador. Isto é sério, pode até matar o desavisado. Isolem a área enquanto estiver retirando ou colocando as agarras.

Use magnésio para as mãos e preferencialmente sapatilhas especiais para os pés.
Retire as agarras periodicamente quando estiverem muito sujas, deixe de molho em água e sabão, e enxágüe bem com uma escova.


Ancoragem Superior

 

Deverá se feita da seguinte forma:

Com chapeletas deverão terão que ser presas no topo da parede de forma a aguentar 2.200Kg cada uma. Deverá ser feito um furo de 10 mm. De diâmetro. Para a fixação, esse furo deverá atravessar o madeirite. Juntamente com a barra metálica, a que ele está preso.
É Vital saber que a estrutura em que as chapeletas estão presas resistam a esse pêso, nesse caso em particular o acompanhamento de um engenheiro é imprescindível. Não podemos avaliar uma situação por nossa conta e simplesmente achar que o que estamos fazendo será o suficiente. Este erro grave , poderá fazer com que toda a estrutura venha abaixo ferindo fatalmente quem está escalando e também todos que estiverem observando.
Dê preferência aos parafusos e porcas especiais 8.8, com ruelas reforçadas por detrás da barra.
Duas chapeletas devem ser colocadas numa distância de 30 cm. uma da outra. Duas para cada pista de subida.
Em cada chapeleta será colocada uma “costura”.
A corda deverá passar pelos mosquetões das duas costuras, formando um V.




ancoragem
A foto ao lado, refere-se a um tipo de ancoragem superior mosquetões e uma fita espressa. A torção em uma das fitas, evita, que no caso de uma chapeleta se desprender, o sistema ainda estará preso a outra chapeleta. A forma em V, determina a distribuição das cargas de peso entre as duas chapeletas. Mais adiante vamos ver o mesmo sistema sendo usado com um Grigri (equipamento auto- blocante que elimina a utilização do nó UIAA, como vemos na figura ao lado.

 

Outro tipo de Ancoragem Superior usada em uma academia modelo

Na foto abaixo um exemplo de excelente ancoragem ... note que o tubo de ferro em ângulo com "6mm de espessura" tem a forma certa fazendo com que a corda que passa por ele fique sempre centralizada ao meio, evitando assim que encoste nas bordas e evite seu desgaste.

Também veja a bitola do perfil I que por sua vez poderá ser chumbado na parede e também soldado na estrutura metálica da mesma, garantindo duplamente a segurança para os escaladores.

Deve-se pedir a orientação de um engenheiro para constatar se a estrutura da parede vai agüentar pelo menos umas duas toneladas por ponto de ancoragem.
Se a parede tem duas pistas de escalada, esse cálculo deve ser aplicado como se as duas pistas estivessem sendo usadas simultaneamente.

  :: Topo ::   :: Próximo ::